O crédito consignado para aposentados e pensionistas do INSS é um grande atrativo para Instituições Financeiras de todos os tamanhos, pois se trata de um público em constante crescimento no Brasil devido ao “envelhecimento” da população. Para se ter uma ideia, pouco mais de 14% da população brasileira é de aposentados e pensionistas, e esse número era de 8% em 1992, ou seja um crescimento aproximado de 75% em cerca 25 anos.

Ainda conforme dados do próprio INSS, apenas 1% de todos os aposentados e pensionistas possuem independência financeira, ou seja, a chance desse público recorrer a um empréstimo consignado em algum momento da vida é muito grande.

Com isso, o volume de aposentados que já possui um empréstimo ativo consignado ativo é muito grande, e devido a esse fato, uma parcela muito grande do volume total de crédito consignado para aposentados e pensionistas do INSS ocorre através do refinanciamento.

Porém, o refinanciamento de consignado com o INSS oferece um risco às instituições financeiras: a perda da margem mensal.

Para que seja possível refinanciar um contrato no INSS, é necessário que a Instituição Financeira primeiramente cancele a margem do contrato que está sendo refinanciado e depois faça a reserva da margem do novo contrato.

O primeiro risco ocorre justamente na reserva do novo contrato, pois qualquer dado cadastral incorreto informado no novo contrato pode fazer com que ele seja rejeitado pelo INSS, e nessa situação, a Instituição Financeira ficará sem a reserva de margem do contrato que está sendo refinanciado e sem a reserva do novo contrato.

O risco também pode ocorrer quando no novo contrato possui um valor de parcela superior ao valor de parcela do contrato que está sendo refinanciado, ou em casos mais recentes, quando o aposentado ou pensionista está com a margem negativa, devido às contribuições sindicais que estão sendo descontadas de alguns beneficiários.

Usando o know-how adquirido através dos anos presentes em 25% das Instituições Financeiras conveniadas com INSS, e por isso contando com a experiência no tratamento dos mais diversos cenários, a solução de averbação com o INSS da Função Informática possui diversos mecanismos que visam minimizar esses riscos, e quando necessário, efetuar automaticamente a recuperação da margem eventualmente perdida, possibilitando assim à Instituição Financeira trabalhar com menor risco, e reduzir as ações manuais nas áreas de operações e cobrança.

Tais soluções são altamente configuráveis e possibilitam inclusive redundância, ou seja, possibilita trabalhar com diferentes mecanismos ao mesmo tempo com o objetivo de reduzir ao máximo risco da perda de margem. Além disso, se mesmo com todos os mecanismos a instituição perder a margem, nosso sistema sabe identificar que ocorreu a perda da margem, e a partir daí disponibilizar informações para tratamentos operacionais, ou atuar automaticamente na tentativa de recuperação dessa margem, bem como a integração com o sistema de cobrança de vencidos para evitar negativações e cobranças indevidas ao cliente.

Para conhecer melhor o que a Função Informática pode oferecer em termos de Consignado INSS e entender porque somos líderes nesse mercado, entre em contato conosco, será um prazer atendê-lo.